De forma simplicada podemos afirmar que, aplicativos mobile nativos são aqueles desenvolvidos para uma plataforma específica, utilizando linguagens de programação próprias da plataforma. Alguns exemplos são: a linguagem Java que é utilizada pelo sistema Android e a Swift que é utilizada para iOS (Apple). De acordo com o IDC – International Data Corporation -, essas duas plataformas são utilizadas por 99,7% dos smartphones no mundo.
A publicação e as atualizações dos aplicativos nativos ocorrem por meio das lojas virtuais oficiais (App Store e Play Store) e estão sujeitas a diversas regras e processos. O que significa que o ciclo de atualizações é muito mais longo para seus aplicativos móveis.
O cenário ideal para o uso de apps nativos tem a presença de aplicativos complexos ou focados na experiência do usuário e também quando ocorre a exigência de processamento de dados pesado.

  1. Pontos positivos dos aplicativos nativos
    Os aplicativos nativos são otimizados para a plataforma, o que implica em dizer que oferecem uma ótima performance, processamento de informações e integrações com o OS (Operation System). Eles funcionam de forma fluída e rápida, o que é essencial para aplicativos com interfaces de usuários (UI) elaboradas.
  2. Pontos negativos dos aplicativos nativos
    Um dos principais pontos negativos é o fato de que, a empresa deverá desenvolver duas aplicações distintas para atender boa parte do mercado. Inicialmente, será necessário realizar maiores investimentos no desenvolvimento do aplicativo para iOS e Android. Por serem dois apps, a manutenção e suporte deles também gerará impactos no orçamento da empresa a longo prazo.